Brasil deve dar atenção à tecnologia que ameaça o reinado do petróleo

Empresário e Conselheiro da Natura Pedro Luiz Passos

Fonte: Folha de São Paulo - 25/08/17

Em meio à temporada de reformas às vésperas da campanha eleitoral, como a sangria do déficit fiscal e a mudança das regras do jogo conduzida por políticos obcecados pela autopreservação, está passando batida a velocidade com que novas tecnologias e modelos de negócios se consolidam no mundo.

Elas estão transformando em realidades desafiadoras o que por aqui é tratado como fantasia ou simplesmente ignorado.

O risco desse alheamento é que os governantes e as ditas lideranças políticas enderecem questões estratégicas que tendem a se tornar obsoletas. É o caso do petróleo e o seu consumo.

Não se ignora seu valor, sobretudo depois da descoberta dos campos do pré-sal, para a economia e as receitas fiscais, inclusive para Estados na bancarrota como o Rio. Mas tem escapado aos observadores decisões em curso que prenunciam a ruptura com o primado dos combustíveis fósseis.

Países como França, Irlanda e Reino Unido definiram prazo para o fim da venda de veículos com motor a combustão. A Alemanha já desligou suas termelétricas nucleares e está adiantada na produção de energia solar e eólica. Ambas, transporte e energia, respondem por mais de 70% do consumo de petróleo no mundo.

A tecnologia em voga para transportes pessoal e coletivo é a de propulsão elétrica. O progresso nesse campo está transformando os veículos em computadores sobre rodas, potencializando novos modelos de negócios.

Recente estudo da consultoria Roland Berger aponta quatro grandes tendências resumidas no acrônimo Made (Mobility, Automated driving, Digital experience e Electrification), que "vão remodelar o setor nos próximos 10 a 15 anos" de forma nunca vista nos 130 anos de existência dessa indústria.

A ascensão de empresas como Uber e Tesla, montadora de veículos 100% elétricos e ocupando a quarta posição entre as de maior valor de mercado no setor automotivo, revela que a revolução descrita pela Roland Berger está ganhando impulso.

Pressionadas por regulações e por concorrentes mais inovadores, as montadoras tradicionais se apressam a fazer frente a esses desafios. A Volvo anunciou que a partir de 2019 todos os seus modelos terão motores elétricos. Toyota e BMW vão nessa direção. GM e Ford lançaram em fase experimental serviços de compartilhamento de carros. E todas estão envolvidas com projetos de veículos com direção autônoma.

Enquanto isso, o Brasil, com reconhecidas potencialidades em energias renováveis, se acomodou, seduzido pelos dividendos do pré-sal, e relegou a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico.

Os escândalos envolvendo a Petrobras paralisaram a própria exploração do pré-sal. O regime que a exigia aportar o mínimo de 30% dos investimentos em exploração, o elevado endividamento, a queda de preço do petróleo e os efeitos da Lava Jato esvaziaram a capacidade de investimento da estatal.

Não se trata de mitigar a importância do pré-sal, mas de acelerar sua exploração antes que essa riqueza pereça no subsolo oceânico por falta de demanda.

Iniciativas como a flexibilização da política de conteúdo local e o fim do controle de preço dos combustíveis foram positivas para remover entraves ao setor. A abertura do pré-sal ao capital privado também foi bem-vinda por atrair recursos que darão celeridade ao processo.

A estratégia parece clara: antecipar receita antes que o petróleo caia em desuso e direcionar os recursos obtidos para projetos estratégicos e sintonizados, ao mesmo tempo, com nossas vantagens comparativas e com a evolução tecnológica que se vai tornando dominante no mundo. E não só na área de energia.

Não se trata de mitigar a importância do pré-sal, mas de acelerar sua exploração antes que essa riqueza pereça no subsolo oceânico por falta de demanda. Iniciativas como a flexibilização da política de conteúdo local e o fim do controle de preço dos combustíveis foram positivas para remover entraves ao setor. A abertura do pré-sal ao capital privado também foi bem-vinda por atrair recursos que darão celeridade

 

Relacionadas