Bioeletricidade

A bioeletricidade

A bioeletricidade é uma energia limpa e renovável, feita a partir da biomassa: resíduos da cana-de-açúcar (bagaço e palha), restos de madeira, carvão vegetal, casca de arroz, capim-elefante e outras.

No Brasil, 80% da bioeletricidade vêm dos resíduos da cana-de-açúcar. Cada tonelada de cana-de-açúcar moída na fabricação de açúcar e etanol gera, em média, 250 kg de bagaço e 200 kg de palha e pontas.

Com alto teor de fibras, o bagaço de cana, desde a revolução industrial, tem sido empregado na produção de vapor e energia elétrica para a fabricação de açúcar e etanol, garantindo a autossuficiência energética das usinas durante o período da safra.

Mas, além de atender as necessidades de energia das usinas, o setor sucroenergético gera excedentes de energia elétrica, fornecidos ao sistema elétrico nacional. Caso utilizasse todo seu potencial, o setor sucroenergético poderia gerar de energia elétrica mais de três usinas de Belo Monte.

A bioeletricidade é estratégica para o país pois além de ser fornecida para o Sistema Interligado Nacional (SIN), é complementar à fonte hídrica, proporcionando uma economia da água dos reservatóriosdas Regiões Sudeste e Centro-Oeste no período seco no ano.

Outro aspecto importante é a sustentabilidade ambiental dessa fonte, já que evita e emissão de gases do efeito estufa, substituindo fontes fósseis.

Outra fonte do setor sucroenergético que pode gerar bioeletricidade é gás biometano originário da vinhaça (resíduo da produção de etanol).