Açúcar encerra a semana em queda no mercado externo e interno

Na sexta-feira (17), os preços do açúcar terminaram o dia em queda na bolsa de Nova York, com os contratos futuros pressionados pela atuação dos fundos na bolsa americana. No vencimento maio/17, a commodity caiu oito pontos, fechando a 18.17 centavos de dólar por libra-peso. Julho/17 fechou o dia em 18.10 centavos de dólar por libra-peso, baixa de sete pontos.

Em seu comentário semanal, o Diretor da Archer Consulting, Arnaldo Correa, falou sobre os preços do açúcar. "Preços nos níveis que vimos nesta sexta-feira, com a mínima de 17.50 centavos de dólar por libra-peso negociando no vencimento maio/2017, começa a mudar a abordagem dos produtores europeus. Por exemplo, será que a Europa vai expandir sua exportação como se achava quando o mercado orbitava ao redor dos 22-23 centavos de dólar por libra-peso? Preços baixos do açúcar no mercado internacional estreitam a arbitragem com o etanol e persistindo a pressão lá fora, não faria mais sentido para a usina produzir etanol cujo valor é melhor para o fluxo de caixa imediato da usina? Essas respostas valem ouro", informou o Diretor.

"Em outras palavras, o potencial de queda a partir de agora começa a ser bem menor. Chegamos ao fundo do poço? Mercados de commodities costumam exagerar na alta e na baixa e seria temerário apostar que já vimos o chão, mas os fundos liquidaram bem suas posições e ganharam muito dinheiro com elas. Com base no fechamento da terça passada eles estão apenas 95,000 contratos comprados. NY pode retrair um pouco mais, buscando 16-17 centavos de dólar por libra-peso porque sazonalmente abril-maio-junho-julho tem preços médios menores do que o março, mas vemos uma eventual visita nesses níveis como uma oportunidade de fixação para os consumidores industriais ou mesmo de recompra de hedge para aqueles que tem pressão arterial de um menino de quinze anos", explicou Arnaldo.

"Os ingredientes são fartos, como dissemos e o resultado dependerá da dose de cada um. A entrega de março foi um ponto de exaustão de um mercado altista. Se chegamos ao fundo ainda vai depender do que vai sair dessa panela", acrescenta ainda o analista.

Em Londres, o vencimento maio/17 caiu 80 cents de dólar, sendo a tonelada vendida a US$ 509,50. Na tela agosto/17, o açúcar firmou negócios a US$ 501,60 a tonelada, queda de 70 cents de dólar. Entre os demais lotes, apenas os vencimentos outubro/17 e dezembro/17 fecharam com retração, as telas de março e maio de 2018 fecharam no azul.

Mercado doméstico

Em São Paulo, os preços do açúcar também fecharam a semana desvalorizados, segundo análise do Cepea/Esalq, da USP. A saca de 50 quilos do tipo cristal foi vendida, na sexta-feira (17) a R$ 77,02, baixa de 0,85% em comparação a cotação anterior.

(Fonte: UDOP – 20/03)

 

Relacionadas