Fiemg Lab passa por reestruturação e vai para nova sede

Uma nova versão do programa de aceleração de startups da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) está prestes a começar. O mês de agosto é o último da primeira versão e, até o fim do ano, será lançada a edição Fiemg Lab 4.0, que traz algumas mudanças em sua proposta. Entre as principais diferenças está um novo conceito de aceleração, que será focado em desenvolvimento de tecnologia de startups com soluções para a indústria, além da mudança de sede. O programa sairá de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, para o Laboratório Aberto do Senai, no bairro Horto, região Leste da Capital.

O presidente da Fiemg, Flávio Roscoe Nogueira, explica que algumas mudanças em programas se mostraram necessárias, mas garante que a inovação terá atenção especial em sua gestão. Segundo ele, a reformulação do conceito do Fiemg Lab vai beneficiar não apenas a indústria mineira, mas também o ecossistema de startups no Estado. “Até então o programa acelerava startups com propostas bem diversificadas, mas nesse formato temos outras 23 aceleradoras em Minas Gerais. A versão 4.0 é exclusiva para startups para indústria. Dessa forma, vamos complementar a oferta de aceleração no Estado e servir de segunda fase de outros programas, como o Seed”, afirma.

A nova gestora do Fiemg Lab 4.0, Mariana Yasbeck, explica que a mudança de sede também foi estratégica para trabalhar esse conceito mais industrial das soluções das startups. A nova casa do programa será no Laboratório Aberto do Centro de Inovação e Tecnologia do Senai. “Nesse ambiente temos uma infraestrutura de prototipagem digital de alta qualidade com equipamentos como impressora 3D, mesa eletrônica, máquinas de corte a laser e estrutura de usinagem”, detalha. Ela afirma que a nova sede também aproximará as startups dos Institutos de Tecnologia e Inovação do Senai, que desenvolvem pesquisa e inovação em diversos temas.

De acordo com ela, a mudança de conceito do programa muda não apenas o tipo de startup selecionada, mas também o processo de aceleração. A gestora explica que o apoio ao modelo de negócio continuará sendo oferecido, mas o Fiemg Lab 4.0 focará muito mais a aceleração tecnológica das soluções. “Serão três fases, sendo que a primeira é para validação do produto mínimo viável. A segunda é para desenvolvimento e validação do protótipo completo funcional e a terceira para validação industrial, que é quando se testa a possibilidade de colocar o produto em escala”, detalha.

Parcerias - Mariana Yasbeck também frisa que o programa vai reforçar a parceria entre startups e indústrias em Minas Gerais. A ideia é que cada startup trabalhe bem próximo a uma “indústria madrinha”, que disponibilize espaço e recursos para as soluções. De acordo com a gestora, a primeira edição do Fiemg Lab 4.0 será lançada no início de 2019. As inscrições serão abertas até o fim do ano e a meta é selecionar 50 startups. Ainda não há definição sobre os valores a serem investidos nas startups.

A primeira edição do Fiemg Lab recebeu empreendedores de 100 startups, que passaram por diversas mentorias e atividades de conexão com o mercado. Uma primeira seleção destacou 35 empresas e a última fase selecionou 15 startups, que receberam o investimento de R$ 1,45 milhão do BMG UpTech. Cada empresa recebeu entre R$ 30 mil (com cessão de 5% de participação da empresa) e R$ 50 mil (com cessão de 12% de participação da empresa).

Fonte: Diário do Comércio – 10/08/2018

 

Relacionadas