Simpósio sobre cana-de-açúcar no brasil busca estratégias de inovação para um avanço sustentável

Instituições públicas e privadas vêm desenvolvendo estudos estratégicos, procurando analisar as principais questões que afetam a competitividade das cadeias produtivas da cana-de-açúcar no Brasil. Tal esforço tem por finalidade tornar o setor sucroenergético nacional cada vez mais forte no cenário mundial.

Neste sentido, as instituições parceiras que compõem o Projeto Pluricana, sentindo a necessidade de constituir uma Rede de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação consolidada em cana-de-açúcar capaz de integrar e ampliar os programas públicos de melhoramento genético e biotecnologia, como também avançar em novas tecnologias para o aprimoramento dos sistemas de produção, promove este evento visando discutir e delinear estratégias de inovação para um avanço sustentável.

O evento é gratuito é ocorrerá no dia 15 de março de 2018 no Centro de Convenções do IAC em Ribeirão Preto – SP.

A diretora presidente da União da Indústria de Cana-de-açúcar (UNICA) - Elizabeth Farina, será a moderadora do primeiro painel de debates e destaca: “O presente Simpósio não poderia ter ocorrido em melhor momento.

Estamos na antessala do processo de regulamentação da Lei 13.576, de dezembro de 2017, que instituiu a Política Nacional de Biocombustíveis, RenovaBio, e que vem trazer uma perspectiva de longo prazo para a matriz de combustíveis brasileira. Seu objetivo é reduzir emissões de GEE (Gases de Efeito Estufa) no setor de transportes, por meio do reconhecimento de que cada combustível tem uma intensidade carbônica diferente e que é possível descarbonizar essa matriz se os preços dos combustíveis refletirem tal diferença”.

O moderador e palestrante do segundo painel, o Diretor do Centro de Cana do IAC - Marcos Landell abordará questões importantes em conjunto com os painelistas convidados acerca do tema melhoramento genético e biotecnologia da cana. Landell enfatiza: “Um esforço contínuo de grupos de pesquisa brasileiros, na área do melhoramento genético, possibilitou a eleição de genótipos com adaptação regional e com boa estabilidade fenotípica proporcionando segurança aos projetos de bioenergia implantados ao longo desses anos todos.

Dezenas de cultivares foram lançadas nas três últimas décadas, por exemplo, possibilitando ao canavicultor este importante insumo na sua ‘prateleira tecnológica’. Este fato é incontestável e ilustra muito bem a importância desta área de estudo para nosso país”.

Em consonância com a opinião dos outros dois moderadores, o Coordenador do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-Açúcar (PMGCA) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL) - Geraldo Veríssimo, moderador do terceiro painel, fala que a expectativa após a efetivação do RenovaBio é que o setor sucroenegético contribua para a redução das emissões de gases causadores do efeito estufa. “Para tanto, o RenovaBio favorecerá o setor canavieiro brasileiro com um substancial aumento da produção de etanol, possibilitando a recuperação econômica de empresas, retomada de novos investimentos, que culminará com a estabilidade de produção, geração de novos empregos e elevação de renda e divisas para nosso país.

Certamente, com essa nova fase de crescimento econômico, também haverá maior investimento no desenvolvimento de pesquisa e inovação nas diversas áreas, e assim permitirá alcançar melhorias dos rendimentos agroindustriais, com garantia de maior competitividade e sustentabilidade econômica, social e ambiental das empresas do setor”.

No quarto painel, a pesquisadora da Secretaria, vinculada ao Polo APTA Centro Sul e ao Programa Cana IAC – Raffaella Rossetto será a moderadora do painel que tratará dos principais problemas que deprimem atualmente a produtividade da cana-de-açúcar: “Baixa pluviosidade em determinados momentos do ciclo e a contribuição enorme da irrigação junto com o dilema dos custos desse processo, são temas sempre atuais. Também, a safra passada conheceu o aumento de algumas pragas e doenças que deixaram nossos produtores apreensivos. Como se prevenir e também como agir diante desse problema é outro tema que será abordado neste painel.

A mecanização sempre mais intensa, na colheita e no plantio, trouxe num primeiro momento decréscimos de produtividade. Hoje, aliada com as novidades da agricultura de precisão apresentam vantagens para os ganhos de produtividade, vantagens estas que serão também apresentadas neste painel.

Além disso, outro fator de produção que ganha relevância maior atualmente é a adubação e correção do solo, em função do aumento de custos desses insumos. O tema será abordado neste painel sempre aliado ao enfoque da produtividade e sustentabilidade. Finalmente, apresentaremos neste painel, três casos de sucesso na produtividade da cana, exemplares no manejo e nas soluções adotadas. São eles: a Agropastoril Campanelli, CASI - Condomínio Agrícola Santa Izabel o Grupo São Martinho”.

As inscrições para o Simpósio são gratuitas, porém, as vagas são limitadas a 350 participantes e podem ser feitas pelo site www.embrapa.br/simposio-cana.

Fonte: Embrapa – 18/01/2018

 

Relacionadas