Notícias

EUA se esforçam para produzir SAF a partir do etanol

27 de Novembro de 2023

Artigos

O esforço dos EUA para desenvolver combustível de aviação sustentável (SAF) utilizando etanol poderá ser retardado devido à crescente oposição aos gasodutos propostos, que reduziriam as emissões de gases de efeito de estufa das fábricas de etanol. Para isso, é feita a captura do dióxido de carbono e o transporte para outros estados para armazenamento.

Os participantes da indústria do etanol dizem que os desenvolvimentos levantam questões sobre o crescimento futuro dos produtores norte-americanos do biocombustível. Eles têm apostado em projetos propostos de oleodutos de captura e armazenamento de carbono (CCS), que seriam necessários para reduzir o impacto climático do etanol o suficiente para que o biocombustível se qualifique como matéria-prima para SAF, ao abrigo da Lei de Redução da Inflação dos EUA (IRA).

A administração do presidente Joe Biden comprometeu-se a produzir 3 mil milhões de galões de SAF anualmente até 2030 e 35 mil milhões de galões até 2050. O objetivo é descarbonizar a indústria aérea e, ao mesmo tempo, apoiar o setor do etanol e os produtores de milho que o abastecem.

“Sem captura e armazenamento de carbono, o etanol convencional não tem um caminho para o SAF sob as políticas atuais”, disse o vice-presidente da produtora de biocombustíveis Valero Energy, Homer Bhullar, em teleconferência de resultados trimestrais da empresa.

Os produtores de milho dos EUA e a politicamente poderosa indústria do etanol esperam que a produção de combustível para companhias aéreas impulsione as vendas, à medida que o mercado tradicional do etanol como aditivo para gasolina diminui. A redução ocorre devido ao aumento do uso de veículos elétricos e da eficiência do combustível.

Biden procurou iniciar a produção de SAF com um crédito fiscal de produção de US$ 1,25 por galão no IRA. Para serem elegíveis para o crédito, os produtores de SAF devem demonstrar que o seu combustível tem emissões 50% mais baixas do que o combustível de aviação convencional.

Atualmente, o uso do etanol para produzir SAF reduz apenas suas emissões em 15%, segundo o site do Departamento de Energia dos EUA (DOE).

 

10% do SAF de etanol

De acordo com um plano da administração Biden divulgado este ano, prevê-se que cerca de 10% da meta do SAF para 2030 venha do etanol. As declarações públicas de Biden foram mais otimistas sobre o papel do etanol no programa SAF.

“Nos próximos 20 anos, os agricultores fornecerão 95% de todo o combustível sustentável das companhias aéreas”, disse ele em julho, num comício no Maine.

Óleos vegetais, resíduos urbanos, resíduos agrícolas e outros materiais também estão sendo desenvolvidos como matérias-primas para SAF nos Estados Unidos. Mas o etanol deve ser um ingrediente chave para que o programa SAF atinja as suas metas, segundo Barry Glickman, vice-presidente da Honeywell, investidor de biocombustíveis dos EUA.

Os produtores dizem que a captura e o armazenamento de carbono são a ferramenta mais eficaz para fazer isso. O grupo comercial de biocombustíveis Growth Energy afirma que a técnica pode reduzir as emissões da produção de etanol em 50% ou mais. Ainda assim, os produtores de etanol necessitam de gasodutos de carbono porque muitas fábricas de etanol não estão perto de locais de armazenamento subterrâneo geologicamente apropriados.

A Navigator cancelou o seu projeto de gasoduto CCS, que teria capturado carbono em 18 fábricas de etanol POET, após reguladores do Dakota do Sul terem rejeitado o seu pedido de licença e os proprietários de terras terem se oposto. A empresa acabou adiando o início da operação para 2026.

O projeto de Wolf também enfrenta oposição em Illinois, onde fica seu local de armazenamento. De acordo com Nikita Pavlenko, líder da equipe de combustíveis no Conselho Internacional de Transportes Limpos, o fracasso destes projetos seria um enorme prejuízo para os objetivos climáticos da indústria. “Seria necessária a ferramenta mais eficaz para reduzir as suas emissões”, disse.

Outras opções para reduzir a intensidade de carbono do etanol incluem a utilização de energia renovável em fábricas de etanol ou práticas agrícolas mais sustentáveis para o milho.

 

A indústria do etanol pressiona agora os reguladores federais para que avaliem as emissões de SAF utilizando um modelo climático diferente que atribui um menor impacto de carbono ao cultivo do milho. Espera-se que a administração Biden responda a esse pedido até o final do ano.

Fonte: Reuters - 24/11/2023

Veja também