Notícias

Hamburgueria de Nova York testa óleo de cana-de-açúcar para fazer batata frita

22 de Setembro de 2023

Artigos

Duas unidades da Shake Shack vão substituir o óleo de soja por nova alternativa; óleo é produzido por meio da fermentação de uma mistura com a cana-de-açúcar 

O seu próximo hambúrguer de cogumelo da Shake Shack (SHAK) pode ser preparado usando um óleo de fritura derivado da cana-de-açúcar. 

Em duas unidades na cidade de Nova York, a Shake Shack substituirá o óleo de soja por uma alternativa cultivada pela Zero Acre, empresa que afirma que sua versão derivada da cana-de-açúcar é mais saudável, mais amiga do meio ambiente e não altera o sabor da comida. 

A hamburgueria usará o óleo para cozinhar itens, incluindo suas batatas fritas onduladas, hambúrguer vegetariano, hambúrguer de cogumelos e pedaços de frango. 

Os chocolates, resultado de uma parceria entre a gigante das bebidas KweichowMoutai e a Mars, chegaram ao mercado paralelo por mais do dobro do preço 

Para a Zero Acre, os testes nas unidades de Hudson Yards e Battery Park City da Shake Shack representam uma de suas primeiras incursões no setor de serviços alimentares. A empresa com sede em San Mateo, Califórnia, recebeu investimentos da ChipotleMexican Grill. 

O óleo é produzido por meio de fermentação resultante da mistura de uma cultura com a cana-de-açúcar, que microorganismos transformam em gordura. A cultura é então prensada para liberar o óleo, que é separado e filtrado. 

De acordo com a Zero Acre, sua alternativa cultivada é mais cara do que o óleo de soja, mas contém mais das saudáveis gorduras monoinsaturadas do que o azeite de oliva. 

A empresa também afirma que, em comparação com o óleo de soja, seu produto requer 90% menos terra, 83% menos água e emite 86% menos gases de efeito estufa. A Zero Acre afirmou ter fornecimento suficiente para a Shake Shack e outros futuros usuários, embora precise de mais capacidade para atender à crescente demanda. 

A Shake Shack testa a alternativa cultivada à medida que o óleo de soja está sendo cada vez mais desviado para biocombustíveis nos Estados Unidos, deixando menos disponível para alimentos e ração animal. 

Fonte: Bloomberg – 22/09/2023

Veja também